Archive for janeiro \25\America/Sao_Paulo 2010

Propaganda em TV por Assinatura

25/01/2010

Durante 60 dias, a partir de 19 de janeiro, o público poderá enviar informações e opiniões sobre o que acha do tempo de publicidade na TV por Assinatura.

Clique no link do Ministério Público de São Paulo.

Domingo Legal

25/01/2010

A música tinha mais espaço nas progamações dominicais em que se divulgavam os novos discos, mas como as gravadoras ficaram “mal das pernas”, agora, os artistas ganham com shows. Como todos sabem, eles acontecem, principalmente, nos fim de semana pelo país afora e, geralmente, tarde da noite. Pelo menos o Domingo Legal, no SBT, tem conseguido contornar isso, já que é ao vivo no domingo, 11 da manhã.

Publicidade

Boxe?

25/01/2010

Por falar em TV Cultura, desperta a atenção ver a chamada do programa Grandes Momentos do Esporte com cenas de Boxe logo no início. O Boxe era um esporte que não tinha espaço na emissora por conta da violência, quer dizer, assim pensavam os membros do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta, mantenedora da TV Cultura.

O começo do ano chega com o fim

25/01/2010

O novo ano chegou e o fim começou.

A TV Cultura de São Paulo dispensou os manipuladores dos bonecos da série infantil de sucesso Cocórico. A série tem boa audiência e licenciamento para várias linhas infantis como alimentos, material escolar, inclusive, existe a possibilidade do Cocórico virar filme.

A Band dispensou os atores e produtores da Escolinha Muito Louca. O programa humorístico mantinha a audiência dos programas anterior e posterior. No caso da Band, a Escolinha tem audiência semelhante a de alguns programas como Marcia e Zero Bala (da Cicarelli e Otávio Mesquita). E a pergunta é: Acabar por quê?

Record – “Marolinha” no RecNov?

23/01/2010

Silvio Santos percebeu que é preciso ter muito “fôlego” para manter um departamento de dramatugia forte. O SBT produziu uma excelente novela, como dizem um “remake”, que foi As Pupilas do Senhor Reitor, uma produção bem cuidada, mas muito cara!

A Record saiu para a briga na produção de novelas, comprou os estúdios de Renato Aragão, no Rio de Janeiro, e transformou no RecNov, a grande central de produções de novelas.

A re-inauguração (já que funciona desde 2005) do RecNov feita pelo presidente Lula em 28 de outubro de 2009, deixa claro que poderia se produzir várias novelas simultâneamente.

Mas parece que as coisas mudaram desde outubro. Como já foi divulgado, somente será produzida uma novela no RecNov e outra no segundo semestre em co-produção com a mexicana Televisa*.

Esperamos que isso seja apenas uma “marolinha” e que os tralhadores do RecNov não percam seus empregos.

 *Bete, a Feia, quer dizer, Bela, a Feia é uma co-produção Record/Televisa. A Televisa era parceira do SBT.

Quem agora é vice-líder?

22/01/2010

Desde o dia 10 de janeiro, a Record vem derrapando na média geral da audiência e começa a perder para o SBT. Mas como é começo de ano, ajustes na programação, férias das produções… isso pode acontecer.

A TV é Imagem e também é Som

21/01/2010

O investimento das emissoras na qualidade do áudio fica a desejar.

Estamos com a TV de Alta Definição (HDTV) que pode oferecer o áudio Surround 5.1 ou 7.1, quer dizer, o som que provoca o efeito espacial. Muitos conhecem esses recursos por conta do DVD.

Mas esbarramos em um problema, até hoje, há emissoras que não conseguem produzir programas em Estéreo!

Vamos explicar melhor: no Surround 5.1 o áudio é distribuído através de 5 caixas de som e 1 caixa de som grave. O Surround 7.1 o áudio é distribuído através de 7 caixas de som e 1 caixa de som grave. O Estéreo é distribuído em 2 caixas de som (lados esquerdo e direito).

Para a produção de programas, sejam eles musicais ou até novelas, podemos, com o Surround, criar situações sonoras como se estivéssemos dentro da cena ou assistindo um show ao vivo. O impacto provocado no telespectador seria outro.

Já temos alguns programas produzidos em Surround, como é o caso do Som Brasil, o Programa do Jô e, agora em fevereiro, a transmissão dos Desfiles das Escolas de Samba. Todos produzidos pela Globo.

Ser igual

21/01/2010

Concorrência é quando você apresenta um diferencial para que haja uma opção.

Se fala tanto em concorrência entre as emissoras, mas na prática não existe.

É tão estranho! Quando a Globo muda o cenário, o modo dos apresentadores de telejornal apresentarem, as outras também mudam.

Por que todos se incomodam com a Globo?

Vamos falar apenas da programação visual. A Record vem há muito tempo se colocando como uma nova opção, mas na prática quer ser uma cópia. Está claro que tem cara de cópia da Globo. Com que intuito? O de confundir o telespectador?

A fonte do gerador de caracteres, ou seja, as letras utilizadas em sua programação é igual a da Globo.

Querer ser igual ultrapassou a tela da TV. É só entrar nos sites: Globo.com, R7.com ou Band.com que a programação visual é muito parecida.

No início, é comum se basear na emissora líder, mas o tempo passou e parece que só piorou. A Record tem condições de inovar, mas é mais fácil copiar.

Dá Pânico com o que fazem na TV

20/01/2010

Se critica muito a Televisão, mas o problema não é ela e sim os que comandam a TV. O mais lamentável são as atitudes nos bastidores.

O Pânico na TV surgiu no final de setembro de 2003, mas só começou a chamar a atenção cerca de 2 anos depois de sua estreia com o quadro Sandálias da Humildade que estavam sendo oferecidas ao apresentador, na época, também da Rede TV!, Clodovil Hernandez.

O “conhecido” humorista Zina, do Pânico, é notícia constante nas manchetes policiais.

Mas como e de onde surgiu o humorista? Para refrescar a memória vamos voltar no tempo. Em maio de 2009, Zina processou a emissora por danos morais e pediu R$ 232,5 mil de indenização. Tudo aconteceu quando o jogador Ronaldo chegou ao Corinthians no início de 2009 e Zina deu uma entrevista ao programa que foi alvo de gozação dos entrevistadores. Claro que a entrevista foi utilizada demasiadamente pelo Pânico como vinhetas e até chegou a ser feitas camisetas pelo programa. Daí, veio o processo.

De uma maneira simples, para se livrarem do processo, transformaram Zina em um dos integrantes do programa. Além de tudo, ele não sabe falar e ainda foi contratado como humorista!

E depois reclamam que o BBB é fábrica de “famosos”!

A mãe do Filho do Brasil

20/01/2010

A tática para atrair o público ao cinema mudou após o fiasco do filme Lula, o filho do Brasil.

A chamada na TV, da Globo Filmes, dá a impressão que Dona Lindu, mãe de Lula, é a protagonista. Glória Pires cita que é uma história verdadeira de uma mulher que lutou para criar seus filhos. O mais interessante é que nem o título do filme é mencionado, ou seja, Lula, o filho do Brasil, desapareceu da chamada. Como todos sabem, Glória Pires interpreta a Dona Lindu.